Quanto formol eu devo colocar ?  
 
Quantas vezes você realizou uma cirurgia para remoção de um tumor e ficou na dúvida de como enviar o material para o laboratório? Pois bem a fixação é um passo fundamental do processo do exame histopatológico e se houver falha pode impossibilitar o exame.
A fixação baseia-se em manter, de modo definitivo, as estruturas citológicas e histológicas das células e tecidos, ou seja, evita a degradação do material em decorrência de fenômenos autolíticos e permite a realização de inúmeras técnicas citológicas e histopatológicas. Há diversas formas de se fixar um tecido, sendo a fixação obtida através do uso de substâncias químicas (fixadores) a mais adequada.
O fixador mais utilizado para histopatologia diagnóstica é o formol a 10% (aldeído fórmico), devido ao seu baixo custo e simplicidade de uso. O formol é extremamente volátil e provoca irritação dos olhos e vias respiratórias. Quando em solução aquosa o formol precipita-se em concentrações superiores a 40%, portanto, chamamos esta solução de "formol puro".

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

O aldeído fórmico atua como fixador interagindo com os aminoácidos lisina e arginina. Tal fixador não provoca precipitação de proteínas, não preserva gorduras livres, porém fixa lipídeos complexos, provoca leve precipitação de outros constituintes celulares e não é o fixador de eleição para carboidratos.
Para fixar tecidos moles o formol deve ser empregado na concentração de 10%. Para tanto diluir como abaixo:
Formol puro (formol 40% P.A.).............................100 ml
Água Corrente......................................................900 ml
Neste caso não use água destilada, pois devido à hiposmolaridade da solução poderá haver surgimento de artefatos grosseiros no tecido.
Para biópsias ósseas prepare-o da forma a seguir:
Formol puro (formol 40% P.A.)..............................200 ml
Água Destilada......................................................800 ml

REGRAS GERAIS PARA UMA BOA FIXAÇÃO
1. Fixe tecido o mais rápido possível após a retirada deste. Evite: pinçar, tracionar ou manipular em excesso os tecidos;
2. Não fixe fragmentos com mais de 6 mm de espessura, pois o fixador possui capacidade de penetração lenta, se o fragmento for muito espesso haverá autólise no centro do tecido;
3. Use sempre um volume de fixador superior a 10 vezes o volume da peça, por exemplo: Se o fragmento medir 0,6 mm de aresta, usar pelo menos 6,0 ml de formol a 10%;
4. Se o tecido for delgado (parede de um órgão tubular), para que o tecido não ¨enrole¨, promova a aderência do material em um papel cartão ou abaixador de língua e então coloque em contato com o líquido fixador;
5. Mantenha a peça sempre submersa no fixador;
6. Coloque a peça no fixador, não ao contrário, evitando aderência desta ao fundo;
7. Use recipiente de boca larga (tipo frasco de maionese). O processo de fixação promove "endurecimento". Não use frasco de boca estreita (frasco tipo penicilina), pois após o endurecimento da peça poderá ser impossível removê-la do frasco



 
   
   
   
   
Home / Laboratório / Serviços / Informações / Downloads / Links / Cadastro / Contato / Informativo